O que é o Consulado

Home  /  O que é o Consulado

faixa_consulado

O Instituto Consulado da Mulher é a ação social da marca Consul, que oferece assessoria a mulheres de baixa renda e pouca escolaridade. O objetivo é que, com sua atividade empreendedora, possam gerar renda e proporcionar melhores condições de vida a elas e suas famílias.

Reconhecido como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), o Consulado da Mulher atua na identificação de oportunidades de geração de trabalho e renda e na assessoria para a formação e consolidação de empreendimentos populares geridos por mulheres com potencial empreendedor e dificuldade de acesso ao mercado de trabalho e à economia formal, em áreas como alimentação, artesanato, costura, imagem pessoal, serviços de beleza, lavanderia e reciclagem.

O Consulado da Mulher desenvolveu uma Metodologia própria de Assessoria a Empreendimentos Populares, reconhecida pela Fundação Banco do Brasil, UNESCO e KPMG como uma tecnologia social, replicável, eficaz e que entrega os resultados aos quais se propõe.

Presente em 20 Estados do País e 77 municípios, por meio dos programas “Mulher Empreendedora” e “Usinas do Trabalho”, o Consulado da Mulher assessora 169 empreendimentos populares, beneficiando diretamente 2.688 mulheres e suas famílias. Desde sua fundação, em 2002, o Consulado já beneficiou mais de 30 mil pessoas.

Por que atuar com mulher?

O processo de assessoria não beneficia apenas as mulheres participantes dos empreendimentos assessorados. Ao escolher as mulheres como seu público principal, o Consulado da Mulher procura justamente ampliar o impacto de suas ações.

Sabe-se que a mulher é o principal agente transformador da família e da sociedade e todo o investimento social realizado a favor dela é multiplicado na medida em que suas conquistas e avanços são estendidos também para seus filhos, seus familiares e suas comunidades.

De acordo com pesquisa realizada em 2009 pelo Dieese – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, o número de famílias chefiadas por mulheres e formadas por casais com filhos aumentou de 787 Mil em 1999 para 4,1 Milhões em 2009.

Gráfico: Famílias chefiadas por mulheres e formadas por casais com filhos no Brasil

Pelo seu protagonismo e liderança no ambiente familiar, as mulheres garantem não apenas a transferência de renda para seus filhos e familiares, mas também o repasse de novos conhecimentos adquiridos com a prática empreendedora, como a gestão do orçamento doméstico; a valorização da educação e da cultura, que as levam a manter seus filhos na escola; cuidados com a saúde e higiene; e a participação política, entre outros, que passam a fazer parte das conversas e atividades familiares.

As mulheres são excluídas da sociedade por uma série de questões e as transformações no âmbito familiar brasileiro não acontecem de forma igualitária entre os sexos. As mulheres estudam mais que os homens, porém ainda encontram dificuldades de acesso ao mercado formal de trabalho e recebem salários menores – mesmo atuando na mesma função.

 

De acordo com a PNAD – Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 43,1% das mulheres já foram vítimas de violência em sua própria residência. Entre elas, 66% declara depender financeiramente do agressor.

Ao perceber as transformações sociais alcançadas para elas e suas famílias, por meio das novas possibilidades criadas com a geração de trabalho e renda, a mulher modifica sua forma de ver o mundo, de atuar na sociedade, percebendo que ela pode fazer suas próprias escolhas e que existem novas formas de se viver.

Os empreendimentos assessorados pelo Consulado da Mulher são formados por uma maioria de mulheres de baixa renda, com idade mínima de 16 anos e com dificuldades de acesso à economia formal, ocasionadas pela falta de capacitação técnica. Geralmente responsáveis pelas tarefas domésticas e pelos filhos, o que dificulta a prática de atividade remunerada, muitas delas possuem dificuldades de acesso a recursos básicos, como transporte e meios de informação. 

Essas situações são pequenos exemplos que, juntos, criam um cenário propício para a emancipação, não somente das mulheres diretamente beneficiadas, mas também de suas famílias, revelando que a atuação do Consulado da Mulher vai muito além do processo de estímulo à geração de renda.

10 anos de transformações

Ao fundar o Instituto Consulado da Mulher em 2002, a Consul – marca da Whirlpool Latin America – teve como objetivo inicial direcionar suas ações de responsabilidade social e definir uma causa para atuação social principal em suas unidades operacionais: Joinville (SC), Manaus (AM), Rio Claro (SP) e São Paulo (SP).  O Conselho de Responsabilidade Social, criado para pensar nessas questões, baseou-se na meta 3 dos Objetivos do Milênio: “Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres”. E, considerando o escopo deste objetivo, definiu-se o foco de trabalho na melhoria da qualidade de vida da mulher, promoção da cidadania, troca de conhecimentos, aumento da autoestima e, principalmente, a melhoria nas relações sociais e de gênero.

Quem faz o Consulado da Mulher

A estrutura de governança do Consulado da Mulher é formada pela Assembleia Geral – seu órgão máximo de administração, composta por seus principais financiadores, pelo Conselho Gestor – responsável pelo direcionamento da entidade e definição de diretrizes de gestão, e pelo Conselho Fiscal – que tem a missão de auxiliar e fiscalizar a administração da entidade, zelando seu equilíbrio financeiro. Todos estes órgãos são compostos por representantes de áreas diversas da Whirlpool Latin America e reúnem-se, periodicamente, para avaliar os resultados da iniciativa e tomar decisões estratégicas.

A liderança do Consulado da Mulher é formada por uma Diretoria Executiva e Coordenadores de processos em cada uma das localidades. O contato direto com as mulheres assessoradas é realizado pelos educadores sociais, capacitados na metodologia de assessoria e que possuem formações acadêmicas diversas. Além da equipe responsável pelas atividades práticas, o Consulado da Mulher conta também com um núcleo administrativo, localizado em São Paulo (SP), e formado por profissionais das áreas de Administração e Finanças, Comunicação, Relações Institucionais e Recursos Humanos. A função do núcleo administrativo é oferecer suporte para a realização e gestão das atividades do Consulado da Mulher em todas as localidades.

Saiba mais sobre o Consulado da Mulher em nosso perfil institucional

Faça a diferença você também!

Agora que você conhece nosso trabalho, incentive você também o empoderamento feminino. Doe agora


Empreendimentos